Página Inicial Três Lagoas - MS, 22 de Julho de 2014
Pesquisa
Mortes em assaltos a bancos aumentam 113% em 1 ano

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player




 

Uma pesquisa nacional realizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), com base em notícias da imprensa e apoio técnico do Dieese, aponta que 49 pessoas foram mortas em assaltos envolvendo bancos em 2011, uma média de quatro por mês, o que representa um aumento de 113% em relação a 2010, quando foram registradas 23 mortes.

Para as entidades, as mortes refletem, sobretudo, a carência de investimentos dos bancos para prevenir assaltos e sequestros. Segundo dados do Dieese, os cinco maiores bancos que operam no País apresentaram lucros de R$ 37,9 bilhões de janeiro a setembro de 2011. Já as despesas com segurança e vigilância somaram R$ 1,9 bilhão, o que significa 5,2%, em média, na comparação com os lucros.

"Essas mortes comprovam o descaso e a escassez de investimentos dos bancos na proteção da vida de trabalhadores e clientes, bem como revelam a fragilidade da segurança pública diante da falta de policiais e viaturas nas ruas e ações de inteligência para evitar ações criminosas", avalia o diretor da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, Ademir Wiederkehr.

São Paulo registra não somente o maior número de ocorrências, mas também o crescimento mais alarmante na comparação entre 2010 e 2011. O total de mortes saltou de cinco para 16, uma evolução assustadora de 220%. O Rio de Janeiro ficou em segundo lugar. O número de assassinatos passou de três para nove, uma disparada preocupante de 200%. Em seguida aparecem empatados Goiás, Paraná e Rio Grande do Sul, com quatro mortes cada um.


Página Inicial Minuto MS Notícias | Três Lagoas/MS